06/09/2007

Quiromancia financeira (Taíi)

Uns quinze anos atrás, quando andava despreocupado pelo Viaduto do Chá, uma cigana pegou na minha mão sem que eu aprovasse tal gesto, e disparou palavras na velocidade da luz. Pensei em reagir puxando minha mão bruscamente, mas a curiosidade é um dos meus maiores defeitos. Ou seria uma virtude em determinadas situações?

No caso citado acima nenhuma praga foi rogada, e nenhuma das coisas que ela disparou no meu ouvido fez sentido em todos esses anos que se passaram. Tentou me vender uma espécie de patuá para proteção, mas educadamente recusei.

Acontece que tenho percebido uma abordagem bem parecida a essa das ciganas. Um poderoso banco brasileiro criou um "braço" na sua organização que oferece financiamentos aos populares que estão passando nas calçadas.

Essas moças e rapazes vestidos nas cores dessa tradicional instituição financeira, portam pranchetas e calculadoras, e oferecem ali mesmo um crédito rápido. Mas não estou me referindo a duas ou três pessoas... São mais de dez pessoas formando um paredão na calçada.

São profissionais da simpatia e da intimidade, já que como se fossem amigos de longa data só faltam nos abraçar. Após um longo e caloroso "Boooooommm Diiiiiiiaaaaaa!!!!", nos estendem a mão para um cordial cumprimento, já engatando a tradicional pergunta: "-Posso conversar um minuto com você?"

É claro que as belas moças abordam os homens, e os rapazes tentam conquistar a atenção das mulheres... O fato é que se você for gentil terá sua mão agarrada!!! rs... Hoje eu revivi aquele fato de quinze anos atrás. Não consegui driblar como normalmente consigo. A moça sem tomar fôlego, disparou sua metralhadora verbal tentando me mostrar as maravilhas de obter um empréstimo sem muita burocracia.

Tive menos paciência com ela do que com a cigana. Afinal até minha tradicional curiosidade não venceu o flashback que tive naquele momento. Pedi licença para interromper seu discurso que seria inútil para mim, e também educadamente recusei sua oferta. Estão lá trabalhando, e certamente não são culpados por essa abordagem invasiva, já que essa atitude é padronizada onde quer que você os encontre.

Mas gostaria de oferecer ao banco as mesmas condições. Vou até o gerente sorrindo como se fôssemos amigos íntimos, e após um efusivo aperto de mão, sugiro que o banco me pague juros de mais de 10% ao mês para colocar meu dinheiro na caderneta de poupança.

Vocês acham que juntando a minha persuasão e simpatia, conseguirei convencê-lo que o banco está errado em me pagar menos de 0,5% ao mês de juros nessa aplicação tão popular?

9 legendas adicionais:

Cretina Supahstah disse...

NOssa, claro que o gerente fará tudo que você quiser!! ahahaha! povo cretino né? Também detesto essa abordagem de banco... eu nem sei a qual banco exatamente você se refere, mas tem um certo banco "verde" que anda aliciando pessoas na faculdade, hahahhaha... ah nem...

o amnésico disse...

Hehehe! Good an' ol' Johnny acertando em cheio de novo! Dizer mais o que? Bem, talvez...

"O que a faculdade de Jornalismo deixou de estragar!"

Felizmente.

Abração!

Lanark disse...

Bancos já são ambientes naturalmente repulsivos, essa abordagem então é insuportável.

E bela observação essa tua no final do texto!


Ah, criei um blog novo!
Abraço!

O ANTAGONISTA disse...

Os bancos atualmente fazem as vezes daquelas grandes corporações da época dos gangsters... muito dinheiro, muito poder, muita ambição e nada, nada de bom para oferecer.

julio de castro disse...

e quer maldição-de-cigana pior que os juros bancérios?

o amnésico disse...

"Sem querer"? Dificilmente, meu caro: se seus escritos não fossem muito bons, eu provavelmente teria feito de conta não ter visto, e seguiria considerando os blogs um veículo de inutilidades.

Os agradecimentos (bem como os elogios) são mais que merecidos!


Grande abraço!

P.S.:Aliás, se um dia necessitar de apoio moral à sua persuasão e simpatia em sua demanda por juros justos para a poupança, conte comigo! ;)

Alice Ayanami disse...

Pois é, a arte da resistenca é difícil. Às vezes me pego culpando-me por falar tantos "nãos"; propaganda funciona...

o amnésico disse...

Hey, I got a new complaint:

Will you ever post again?

Ok, I'll mind my own business...

;^)

Lüb disse...

Use o não tão clássico

"Desculpa, mas eu só falo com pessoas com quem eu fiz ou eventualmente irei fazer sexo, como você não se encaixa em nenhum desses perfis... tchau!"

Related Posts with Thumbnails